16 novembro, 2010

Terça-feira poética

Escada sem corrimãoÉ uma escada em caracol
E que não tem corrimão.
Vai a caminho do Sol
mas nunca passa do chão.

Os degraus, quanto mais altos,
Mais estragados estão.
Nem sustos nem sobressaltos
servem sequer de lição.

Quem tem medo não a sobe.
Quem tem sonhos também não.
Há quem chegue a deitar fora
o lastro do coração.

Sobe-se numa corrida.
Correm-se p’rigos em vão.
Adivinhaste: é a vida
a escada sem corrimão.
“Obra poética 1948-1988” – David Mourão-Ferreira, ed. Presença

Sem comentários:

Enviar um comentário