05 janeiro, 2011

Cuba - viagem 1997

Em 1997 fomos até Cuba.
Visitámos Havana, Guama, Trinidad, Cienfuegos e Varadero.
Do esplendor colonial de Havana Velha à grandeza decrépita do início do século XX de Vedado, no centro de Havana encontram-se diversas fortalezas, palácios, mansões e catedrais.
Estivemos na Catedral de La Habana, na Plaza de Armas, na Praza de la Revolución, no Museo de la Revolución, no Palácio de los Capitanes Generales e no Museo de la Plata.
Claro que também estivemos na La Bodeguite del Medio, de que Ernest Hemingway tanto gostava.
Nas ruas de Havana inúmeros garotos pediam canetas e caramelos. Estranho, não?
No trajecto Havana – Trinidad fizemos uma paragem em Guama, uma aldeia típica localizada na península de Zapata, e seguimos para o hotel Ancón (o maior hotel que conheci), localizado na Playa Ancón, a sul de Trinidad.
Chegámos ao hotel às 23.00 horas e de imediato corremos para a praia. Foi um dos melhores banhos de mar que já experimentei. A água era pouco profunda e quentíssima. Nunca mais o esqueci.
De dia espraiámos o olhar na areia branca e fina, no verde das palmeiras e no azul-turquesa da água.
A cidade de Trinidad , a cerca de 20 minutos de Ancóm, foi fundada em 1514 e é Património da Humanidade da UNESCO, desde 1988. As suas ruas calcetadas ladeadas de casas de cor pastel pouco mudaram desde o século XVIII, quando Trinidad enriqueceu com o comércio de escravos e de açúcar. Na praça principal da cidade, Plaza Mayor, encontra-se uma catedral, grandes mansões, museus e galerias de arte.
Aqui, nas ruas só nos pediam sabonetes. Estranho, não?
Rumámos depois para Cienfuegos, uma cidade costeira junto de uma enorme baía, fundada em 1819 por colonos franceses. O traçado da cidade é quase perfeito, com ruas direitas em redor da Plaza de Armas, hoje designada Parque Martí, edifícios coloniais, mansões do fim do século XIX e muito, muito, verde.
E chegámos a Varadero, a principal estância balnear de Cuba.
Despedimo-nos da guia, do motorista e do grupo que connosco andou e… ficámos sozinhos.
Aqui tudo era diferente. Óptimos hotéis (regime tudo incluído), serviço excelente, boas piscinas, praias de areia branca, águas serenas, límpidas e quentes. Faltava apenas um pouco de sombra.
Para além dos muitos e demorados mergulhos no mar e na píscina, a calma convidava a leituras demoradas, sonecas repousantes, mimos prolongados, cocktails frescos, jantares demorados e um pezinho de dança, na discoteca sempre apinhada de corpos bronzeados e ondulantes.
Quatro dias depois fizemos Varadero – Havana, num táxi conduzido por um cubano simpático, conversador e óptimo condutor.
Gostei desta viagem. Gostava de lá voltar.
Mais fotos aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário